Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

IN.SO.LEN.TE

Ditadura dos convictos II

Se há coisa que me incomoda são as certezas absolutas.

aqui tinha escrito sobre isso (num contexto mais específico), mas a pertinência do assunto leva-me a querer escrutinar mais ainda a questão. Isto porque acredito que a certeza leva à intransigência e ao extremismo. Quanto mais leio e me tento informar mais dúvidas me surgem, pelo que não consigo compreender que haja tanta gente a vestir camisolas ideológicas sem as colocar sob a lupa do espírito crítico. Falo não só de política (e de populismo ) mas de muitas outras coisas, algumas tão aparentemente simples como o desporto (que, se pensarmos bem, acaba por ser um pouco político, mas já nem vou entrar nesse caminho).

Parece-me que há cada vez mais uma tendência para o fundamentalismo, observável a olho nu na internet. Fecha-se a porta a opiniões contrárias porque se crê na verdade absoluta das próprias. Nem vale a pena escutar quem pensa diferente, pois isso poderia confirmar a hipótese remota de estarmos a ver as coisas de forma errada. A crítica (não construtiva) gratuita e a falta de contenção sobrepõem-se ao bom senso e o resultado é simplesmente alarmante.

É verdade que por vezes se torna difícil tomar uma posição, mas pessoalmente gosto de ler aquilo com que não concordo, porque mesmo não que não me reveja no texto isso não o torna menos enriquecedor. Antes pelo contrário. 

pills_Prancheta-1.png

Infelizmente os algoritmos digitais das redes sociais não favorecem esta postura divergente. Um artigo publicado hoje no jornal Público analisa a subjetividade do extremismo e a forma como esse facto está ligado à própria configuração das plataformas de partilha de conteúdo.

“As redes sociais estão a promover grupos homogéneos, convictos de que estão do lado da razão”, resume ao PÚBLICO Fabian Baumann, físico da Universidade Humboldt, na Alemanha. Baumann usa fórmulas matemáticas para analisar o discurso nas redes sociais. “Temos pessoas com as mesmas opiniões a interagir entre si, a repetir as mesmas ideias e a criticar as mesmas pessoas, o que as impede de questionarem as suas opiniões.”

Ainda no mesmo artigo é referido que:

“Tornou-se evidente que na Internet ninguém se encontra no centro. As pessoas estão a falar do que ouvem e a ouvir do que falam”, conclui o físico, que acredita que ver pessoas divididas em grupos ideológicos é muito mais fácil online. “As grandes plataformas como o Twitter, o Facebook e o YouTube aceleram um processo que já é humano”, admite. “No mundo real, quando andamos na rua ou vamos a eventos, somos confrontados com pessoas muito diferentes.”

Acredito que esta é a verdadeira pandemia do século XXI. Não é possível construir opiniões fundamentadas com base numa única visão dos factos. A forma mecânica e vincadamente emocional com que somos guiados nos conteúdos da internet é preocupante e tem um impacto enorme na proliferação da desinformação. E é cada vez mais difícil contrariar. (Este caso de desinformação climática relatado pelo Diário de Notícias é só um exemplo). Vou arriscar o dramatismo e dizer que estamos perto de viver na Matrix.

Pedro Mexia acaba por referir isto numa entrevista (extremamente interessante) que hoje saiu no jornal Público. Mexia referia-se ao universo da crítica literária, mas a tese é válida no contexto a que me refiro. 

a legitimação já não é uma evidência: o que as pessoas tendem a dizer é: “O que é que me interessa a opinião desta pessoa?” Percebo, não concordo, porque há razões para uma pessoa ser melhor do que outra. Porque os jornais e revistas generalistas já não fazem parte do quotidiano das pessoas. Mas se isso é problemático na critica literária, o que dizer da crítica de cinema; é totalmente deslegitimizada pela Internet. As pessoas hoje em dia não conseguem achar que há uma pessoa que viu mais filmes e que os viu melhor, e que sabe mais. Que há uma dimensão objectiva segundo a qual podemos dizer que um escritor ou um cineasta é melhor do que outro. Depois isso fica aberto a discussão e a revisitações periódicas.

Não poderemos evoluir sem confronto de opiniões, pelo que a intransigência não nos leva a lado nenhum. Está na altura de começar a sair da caverna da convicção (conselho dado por quem vive com dúvidas)...

 

Obrigado Twitter!

Há dois dias atrás li um artigo sobre as várias conspirações defendidas por apoiantes de Trump que correm por essa internet fora: QAnon, ao Pizzagate e o Obamagate. Amplamente partilhadas, estas estórias há muito que quebraram a barreira do underground e hoje estão perto de habitar o senado pois, e citando o Público:

há uma semana, o Partido Republicano do Oregon escolheu como candidata oficial às eleições de Novembro Jo Rae Perkins, uma apoiante do Presidente Trump e promotora da teoria da conspiração QAnon.

Estas acusações de conluios, que quase sempre pretendem ferir o partido democrata, não passam de produtos de influência vazia, importados diretamente das cabeças da direita-radical. Apesar de completamente mirabulantes, estas teorias são amplamente partilhadas, beneficiando da velocidade sôfrega da internet, que não combina muito bem com verificação de factos.

27front-cover.jpg

Hoje o Twitter decidiu fazer a diferença. Sendo o prinicipal veículo de depósito de acusações por parte de Trump, a rede social deu um importante passo na luta contra as fake news e assinalou o Tweet do Presidente com um link que remete os leitores para informação fidedigna (que contrapõe o habitual delírio do (i)rresponsável máximo dos EUA). 

trump.png

Como seria de esperar, Trump apressou-se a tentar virar o jogo,  acusando a rede social de querer interferir nas próximas eleições presidenciais, de violar a liberdade de expressão, entre outras coisas. De facto, desde que o Tweet foi sinalizado, Mr.President escreveu mais de cinquenta novos posts - sendo que todos eles são partilhados e comentados à velocidade da luz. A Fox, sendo fiel a si mesma, aborda o assunto de outra forma e afirma que o Twitter inventou regras separadas para o Presidente, o que fez cair as suas ações na bolsa. 

Pessoalmente - e por tudo isto - aplaudo a atitude do Twitter, pelo facto de ser há bastante tempo o canal de eleição de Trump para evitar a mediação da imprensa. Esta atitude pode ser um relevante pontapé de saída no combate à desinformação - apesar de não se conseguir ainda perceber se a abordagem é a mais correta, pois impõe-se sempre o complexo debate da liberdade de expressão.

 Não querendo, no entanto, discutir essa vertente, penso que a grande questão que se coloca agora é: poderá esta atitude do Twitter ter efeitos significativos?

Chris Cillizza, editor na CNN, acha que não:

Twitter, for a lot of reasons -- some of which are its fault and some of which aren't -- has no chance in a fight over facts and truth with Trump. Unless they are willing to use the nuclear option of suspending him from the site, which brings its own massive set of complicated questions -- and is not a sure-fire solution anyway.

Eu concordo, mas apenas em parte. É óbvio que nao será a partir daqui que a batalha fica ganha -  até porque Trump irá concerteza insistir na retaliação - mas mais importante do que conseguir ou não atestar a veracidade dos posts de Trump, o Twitter conseguiu pelo menos que a atitude ficasse registada como possível. Mostrou que as redes sociais não têm de ser meros meios inertes, podendo ter um papel ativo no combate aos conteúdos falsos que disseminam. Não é uma vitória, mas pode perfeitamente ser o primeiro tiro de canhão.

Mais visitados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sobre mim

Sofia Craveiro. Jornalista por obra do acaso. Leitora e cronista nas horas vagas.

Redes Sociais

Arquivo

Mensagens