Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

IN.SO.LEN.TE

A "pós-verdade" de quem sabe tudo com base em nada

Parece de repente que há, de repente, muito mais gente iluminada no mundo. 

Pelo menos a julgar pela grande sapiência das caixas de comentários do Facebook, todos temos uma noção da realidade muito própria, assente na grande superioridade intelectual de quem é convicto nas suas próprias opiniões. Hoje ser moderado ou ponderar factos contraditórios sobre um tema é ser ingénuo e crédulo. Por isso, parece que o melhor é optar por colocar em causa - e evitar ler - tudo aquilo que possa desacreditar as teorias individuais de cada Nostradamus registado na rede.

Sarcasmo fora parte, começa a parecer que a verdade perdeu o significado para a maioria das pessoas. Acham que é subjetiva. Confundem-na com liberdade de expressão e de opinião. O que falta perceber a esta gente desinformada é que toda a liberdade envolve responsabilidade. Os factos não podem ser moldados a nosso bel-prazer para se acomodarem nas percepções que já temos, porque simplesmente não funciona assim. Embora já haja quem pense que pode funcionar...

tvi.jpg

 

Imagem: screenshot da Reportagem TVI "O grupopolémico que contesta os perigos da covid-19" 

Em 2016 (há quatro anos, era pré-covid) , o The Guardian publicava um artigo intitulado "How technology disrupted the truth". Já na altura era referido que a forma como as pessoas consumiam informação dependia cada vez mais dos algoritmos das redes sociais, criados para nos sugerir conteúdos que "eles" sabem de antemão que nos vão agradar, por serem similares a outros com que já interagimos. Isto cria uma "bolha" de informação, na qual apenas encontramos conteúdo com o qual, à partida, já concordamos (vejam o documentário The Social Dilemma, na Netflix e ficam com uma ideia do que estou a dizer).

O alarme acrescido vem do facto de as redes sociais serem, simultaneamente, os grandes agregadores de conteúdos informativos e, ao mesmo tempo, o local onde estão reunidas fotos e vídeos sobre pessoas com quem temos uma ligação emocional. É muita coisa contraditória e incompaível para ter num único lugar, e leva a que emoção e razão sejam confundidas mutuamente.

Este é um dos principais ingredientes, senhoras e senhores, para a proliferação da "pós-verdade": termo "relacionado ou denotando circunstâncias nas quais os factos objetivos são menos influentes na formação de opinião pública do que apelos à emoção e à crença pessoal", segundo o Dicionário Oxford. Em 2016 esta foi palavra do ano, escolhida por se tornar popular aquando do referendo do Brexit (na qual ganhou o "Leave" graças a uma campanha enganadora e, claro, com forte apelo à emoção).

[Brexit campaign] was hardly the first time that politicians had failed to deliver what they promised, but it might have been the first time they admitted on the morning after victory that the promises had been false all along. 

in "How technology disrupted the truth", The Guardian, 2016

Se a emoção for aliada a conteúdos visuais - mais atrativos do que o texto - então estão reunidos os ingredientes para a sopa do desastre, que fica bem quentinha e fumegante na panela de pressão que são as redes sociais. 

Mas há muito mais além disto.

No livro "Pos-thruth"  (MIT Press, 2018), o investigador Lee McIntyre explica que a pós-verdade não é uma simples desvalorização dos factos, mas também se relaciona com a "convicção de que os factos podem sempre ser obscurecidos, selecionados e apresentados dentro de um contexto político que favorece uma interpretação da verdade em detrimento de outra". Um exemplo que o autor refere, é o de Kellyanne Conway, conselheira de Trump na Casa Branca, que em 2017, se referiu a "factos alternativos", quando foi confrontada com a falsidade flagrante de que Trump não teve mais pessoas na tomada de posse do que Obama (conforme tinha sido divulgado pelo secretário de imprensa). Foi assim legitimada a ideia de que cada pessoa pode interpretar a realidade conforme entender (logo num dos primeiros atos oficiais do Presidente dos EUA).

Mas nem só de mentiras óbvias vive o engano coletivo.

A desinformação e a "pós-verdade" surgem, não apenas da propagação de informação falsa, mas também de informação duvidosa, ambígua, descontextualizada e incompleta que induz em erro. Além disso, muitos outros conteúdos partilhados sem enquadramento têm potencial para criar caos, mesmo sem que seja essa a nossa intenção (ou da nossa avô, que criou agora um perfil no Facebook).

"Classifica-se como fake news uma ampla variedade de conteúdos que, em muitos casos, nem sequer se assemelham na forma ou fazem passar por notícias: desde memes com mensagens políticas até artigos de opinião, montagens satíricas ou humorísticas, cartoons, vídeos difundidos nas redes sociais sem edição ou enquadramento jornalísticos, etc. Tal como acontece a muitos outros conceitos, especialmente neologismos, a sobreutilização dos mesmos acaba por resultar na deturpação do significado original".

in Livro "Viral - A epidemia de fake news e a guerra da desinformação", Fernando Esteves e Gustavo Cardoso, (2019). Desassossego

Há por isso muito de inconsciente na propagação digital de tretas. Por isso é tão importante a crítica (construtiva), o debate (sério) e o bom senso, até mesmo no planeta dos macacos que parece estar a tornar-se o Facebook. O mundo não é feito de certezas absolutas, mas isso não significa que a verdade possa ser definida arbitrariamente. As convições pessoais não podem ignorar o contraditório. 

 

Novilíngua, fake news e outras ilusões

A simplificação do discurso tem como consequência o desprezo do pormenor. Reduzir realidades complexas a comparações diretas e descontextualizadas tem como resultado inevitável a incompreensão de um grande universo de realidades e situações. É assim que nasce o populismo, apoiado na propagação crescente de desinformação.

Na icónica obra de George Orwell, “1984”, esta realidade é assustadoramente bem retratada. No romance, o Partido apoiava a sua hegemonia na manipulação da verdade. A propaganda do Grande Irmão apoiava-se, não apenas em notícias manipuladas e repetidas até à exaustão, como napermanente alteração de arquivos e registos, por forma a que estes espelhassem a confirmação de cada movimentação do Partido.

Além do sufocante controlo de toda a “informação” e conteúdo cultural, estava a ser aperfeiçoada a Novilíngua, um novo idioma simplificado que resultava da supressão de palavras, que eram substituídas através da justaposição de outras. Esta ferramenta tinha como último propósito eliminar completamente conceitos ligados ao pensamento crítico individual, e simplificava cada vocábulo de forma a ser impossível exprimir ideias contrárias ao Partido. Funcionava como uma gradual e profunda alteração do raciocínio crítico, que tinha como último objetivo eliminá-lo por completo. O exemplo de “1984” como alegoria da realidade não é novo, mas revela-se sempre pertinente.

32940251834_9e7a62a75a_b.jpg

 

Também hoje presenciamos os efeitos da simplificação intencional do discurso, mas em vez da supressão de vocábulos, assistimos ao desrespeito flagrante pela verdade e à desconsideração de argumentos e informação relevante. Esvaziam-se explicações complexas, dando primazia à noção simplista e radical do mundo. A desinformação que prolifera nas redes sociais está apoiada em mensagens sensacionalistas apelativas, criadas e formuladas para serem facilmente perceptíveis.

A complexidade da ciência, da história e da política democrática é desvalorizada de forma a perder toda a sua credibilidade. O verdadeiro raciocínio crítico dos cidadãos está, por isso, a perder-se aos poucos. A procura da verdade tornou-se subjetiva. Há uma realidade alternativa no “feed” de cada um, potenciada por algoritmos desenhados para agradar a todos.

A capacidade de filtrar e julgar conteúdos e opiniões está a dissolver-se no meio do ensurdecedor fluxo de informação no meio digital, que dá prioridade à rápida captação de atenção do utilizador. A rapidez de acesso e partilha nos meios digitais não é compatível com a necessária demora da análise crítica e comparativa. O discurso simplificado e redutor – típico de populistas e demagogos – acaba por dominar. Na era da informação, aumenta a iliteracia mediática, apoiada na personalização de conteúdos.

A grande diferença entre a sociedade contemporânea ocidental e o mundo de “1984” é a crença atual no poder individual. O acesso aos conteúdos digitais, à informação, às notícias é virtualmente possível a todos, o que reforça a ideia de julgamento crítico e democrático. Mas, sendo que cada conteúdo é adaptado a comportamentos digitais individuais (muitas vezes irrefletidos), a avaliação da informação está sempre sob inevitável influência, potenciada pela ideia de pertença a uma comunidade like-minded (veja-se o exemplo dos “terraplanistas”).

A liberdade de informação fica, por isso, fortemente condicionada. O necessário debate tolerante, que possibilita a democracia, fica colocado em causa pela ausência total de cedências. Os indivíduos vêm nos factos versões distintas da realidade. A informação não é mais analisada, mas adaptada conforme as crenças já existentes.

O discurso moderado desaparece gradualmente, sendo substituído por posições extremistas, apoiadas na simplificação radical. A pluralidade, a complexidade e diversidade sociais são desvalorizadas e descredibilizadas. Gera-se medo da diferença. Nasce o radicalismo, o negacionismo, o cepticismo perante as instituições democráticas, que perdem força face ao facilitismo aparente do populismo.

Não é viável simplificar um mundo que se quer complexo e plural. A sociedade democrática carece de debate profundo e rigoroso. Simplificar a realidade minimiza a sua compreensão e conduz ao radicalismo. É tempo de alargar o pensamento, e não de reduzi-lo.

 

Artigo de opinião originalmente publicado em  https://forumdemosnet.wordpress.com/2020/10/29/novilingua-fake-news-e-outras-ilusoes-por-sofia-craveiro/

Discuti com um perfil falso

Já não é novidade o facto de que o único partido de extrema-direita com representação parlamentar em Portugal se serve de perfis falsos para espalhar desinformação. A técnica não é nova e é comum a outros populistas que, não conseguindo crescer honestamente de acordo com as suas ambições, falsificam popularidade, servindo-se das redes sociais para fingir números e fomentar discórdia. É uma técnica eficaz e barata de conseguir contaminar a opinião pública, usando os tentáculos do extremismo para injetar indignação.

Não o planeava mas tive, recentemente, um contacto direto com um destes perfis falsos.

1_NTo73SNEYIvZWf7qTg3keQ.jpeg

A história remonta há cerca de uma semana atrás, quando o jornal Público anunciou que iria alterar a sua política de comentários no site. O diário explicava que iria passar a implementar "um limite diário de dois comentários submetidos por leitores não-assinantes" e "um limite diário de três acções de moderação (rejeição e aprovação de comentários) aos moderadores não-assinantes". Isto porque o Público tinha já implementado um sistema de moderação de comentários baseado na comunidade, que se revelou insuficiente. Neste sistema os utilizadores eram classificados de acordo com o número e qualidade de interações efetuadas no site, sendo distribuídos em níveis que lhes concediam - nos patamares mais altos - a possibilidade de moderar comentários de outrem.

Apesar do contributo positivo da maioria dos nossos leitores, o modelo de automoderação da comunidade deixou de garantir por si só a qualidade dos comentários publicados e tornou-se fonte diária de conflito, degradando a experiência de leitura do PÚBLICO e obrigando à intervenção permanente da redacção.

Público

 

Pessoalmente compreendo e aceito a mudança, razão pela qual tive a (comprovadamente infeliz) ideia de expressar a minha opinião na caixa de comentários do Facebook desta notícia. Fi-lo pois verifiquei a estupidez generalizada de pessoas que compararam esta ação a um ato de censura, fazendo absurdas alusões à Coreia do Norte, ao "lápis azul", ao Estado Novo, etc. Não consegui conter-me e comentei apenas que:

xxxxx.jpg

Sei que hoje é impossível concordar com o que quer que seja sem se ser apelidado de ingénuo ou burro, mas mesmo assim insisti. Estava pronta para lidar com os céticos de profissão que se acham donos das certezas.

Não tardou a que recebesse respostas a indicar a mesmíssima bazófia já descrita anteriormente, demonstrando que estes "comentadores" não fazem ideia do que é a Coreia do Norte nem a censura. 

Já me tinha decidido a ignorar a ignorância quando um tal de "Miguel Alves" decide também implicar com as minhas opiniões. Achei então que talvez valesse a pena perder tempo, e escrutinar porque motivo a limitação de comentários era para ele algo tão alarmante:

ffffff.jpg

Escusado será dizer que as respostas que obtive foram nada mais que vazias:

119815422_772376693331942_1988562591877493815_n.pn

Porque motivo perdi o meu tempo e esforço a relatar esta lamentável tentativa de elucidação? Pelo motivo que se segue:

119815422_772376693331942_1988562591877493815_n.jp

As minhas suspeitas confirmaram-se. "Miguel Alves" tinha uma imagem genérica retirada de um filme como foto de perfil e outra igualmente impessoal na capa. Não tinha qualquer tipo de registo de atividade ou partilha. Nos interesses existiam apenas gostos em páginas de jornais, na página da Direção-Geral de Saúde e, sim, no perfil do Chega. 

"Miguel" era um perfil falso e sei-o pois, se forem hoje mesmo ao seu perfil (aqui), vão verificar que o mesmo não existe, que foi apagado após a minha denúncia, e que agora, naquela caixa de comentários (que podem ver aqui) surjo apenas eu, a falar para alguém que não existe, pois tudo foi eliminado.

Independentemente da relevância da notícia em causa ou sequer do tema acredito na importância da partilha desta história. No meu caso bastou fazer a pesquisa da sua imagem de perfil no Google Images para confirmar imediatamente que se tratava de um excerto de um filme. Além disso a falta de atividade e as páginas de que gosta são um sinal claro: neste caso só interagia com orgãos de comunicação social, com a DGES, e com o partido Chega.Não foi, por isso, difícil perceber que era um perfil falso, mas há casos em que pode tornar-se mais complexa essa identificação.

Não podemos deixar que façam de nós parvos.Estar atento e informado é melhor arma contra os extremismos. :)

 

Mais visitados

Pensamento do dia

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sobre mim

Sofia Craveiro. Jornalista por obra do acaso. Leitora e cronista nas horas vagas.

Redes Sociais

Mensagens

E livros?