Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

IN.SO.LEN.TE

O jornalismo como o conhecemos tem de acabar(?)

Fico sempre na dúvida se quem não é desta área compreende mesmo o que é o jornalismo.

Muitas vezes me parece que as críticas exteriores ignoram o sentido cívico que é assumido por quem tem esta profissão, o que pode tornar-se desanimador. Para um jornalista, a procura pela verdade é a razão suprema da sua existência. O dever maior é de proteger a democracia, em nome do bem dos restantes cidadãos. A profissão é encarada por nós, jornalistas, como um chamamento, e tudo queremos fazer para a proteger de interesses malévolos (isto claro, segundo o que diz naqueles livros empoeirados que há anos estão confinados a uma qualquer prateleira inanimada).

A questão é até que ponto esta visão paternalista continua a fazer sentido, em especial para os nossos tão protegidos cidadãos. Existe um grande fosso entre o jornalismo e as vontades da sociedade atual, e isso nota-se cada vez mais por via da descredibilização a que estamos sujeitos. 

 

polaris06144711.jpgFoto: Virginia Irwin (1939), retirado de  Smithsonianmag.com

Falei informalmente sobre este tema com o jornalista Paulo Querido, que há dias escreveu um artigo que me perturbou bastante. O título era  "O destino do jornalismo tornou-se-me indiferente" e vinha contrariar a mítica ideia que "o jornalismo é sacerdócio" (na medida em que (supostamente) nunca se abandona totalmente). Paulo Querido afirma que a profissão como a conhecemos deixou de fazer sentido, pelo que há necessariamente mudanças que têm de acontecer:

[Os órgãos de comunicação social] estão a passar uma onda transformadora muito forte. Creio que a maioria pura e simplesmente desaparecerá no período de 5 a 10 anos. Os que ficarem provavelmente serão irreconhecíveis aos padrões de hoje. Serão mais plataformas, acoplarão outras profissões e distribuirão os seus conteúdos por mais canais.
 
Não sei se o termo "jornalista" subsistirá como dominante nos meios de comunicação dentro de 10 anos. Provavelmente não. As suas funções serão desempenhadas por pessoas diferentes, com vantagens. Um jornalista é um profissional pouco ou nada preparado para o mundo de comunicação que temos hoje e teremos amanhã.
 
Na melhor das hipóteses, a profissão será capaz de absorver novas técnicas e seus profissionais — como sucedeu no século XX, com a incorporação dos radialistas, dos fotógrafos, dos operadores de câmara e, já dentro da minha vida profissional, dos infografistas. 
 
Mas duvido. Enquanto ao longo do século XX os saltos foram espaçados no tempo e não colocaram em causa o essencial dos media — um grupo com o monopólio da distribuição de informação em massa —, o presente salto coloca em causa não apenas isso como muito mais coisas.
 Paulo Querido 

Poucos são os jornalistas que ousam admitir isto.

Sei-o não apenas com base na minha própria negação, mas também na dos jornalistas veteranos com quem contactei. Continuam presos ao passado e à teimosa importância dos jornais em papel. Desvalorizam as redes sociais e desconsideram os sites por serem passíveis de edição permanente. Usam mudanças feitas há duas décadas como metáforas de inovação sem perceber que há muito deixaram de o ser.

Pelo contrário, os estudantes notam frequentemente a falta de debate desta temática, em especial no que toca ao jornalismo de imprensa. 

O que temos todos noção é que o jornal impresso vai mesmo acabar e o futuro é no digital. É tudo muito mais rápido sabes? (...) É com base na tecnologia que temos de ver o futuro do jornalismo. Agora também acho que irá ser uma profissão de todos. Qualquer pessoa pode ter uma plataforma e informar. Com credibilidade é que já não sei...

Fátima Santos, estudante de mestrado em jornalismo
 

É difícil mudar, mas a verdade é que se não houver mudanças vamos ser engolidos pela nossa própria teimosia. O modelo de negócio actual dos OCS  não é sustentável a longo prazo, mas é um problema que vai sendo varrido para debaixo do tapete, muitas vezes a custo da ética profissional. As pessoas não consomem informação da mesma forma, nem tampouco ficam sujeitas ao que lhes queremos dar. Os jornalistas recusam-se a aceitar isso, negando ao seu público as mudanças que eles já próprios já incorporaram no quotidiano. 

 
“Technological evolution moves faster than journalism can”
 
É por todas estas razões que já há quem procure respostas para o futuro, considerando que os jornalistas devem abrir os braços à mudança, ao invés de ter combatê-la. 
 
É o caso de Francesco Marconi, professor de jornalismo na Columbia University, que em abril deste ano publicou o livro Newsmakers, Artificial Intelligence and the Future of Journalism, uma obra que tem de tanto de perturbador como de plausível.
 
A tese do autor é que, embora a inteligência artificial não possa substituir os jornalistas, deve ser colocada ao seu serviço, nomeadamente nas tarefas mais morosas e monotónas. A lógica é, no fundo, a mesma do telefone no passado: tal como este permitiu que os jornalistas evitassem algumas deslocações, também os algoritmos podem permitir automatizar a transcrição de gravações áudio, detetar novas notícias nas redes sociais, analisar o surgimento de assuntos de interesse público, processar dados exaustivos ou até redigir textos de forma automática. Em suma: poupar tempo e dores de cabeça.
 

The internet disrupted the media industry only when the least likely users finally adopted it. With a critical mass of online consumers, news organizations were forced to introduce new digital production practices and update their business models. While some organizations succeeded in their digital transformation efforts and the reskilling of their staff, others continued to experience eroding revenues - due to an ability to quickly adjust to audience needs as well as to increased competition. 
Artificial intelligence is no different (...).

Francesco Marconi, Newsmakers, Artificial Intelligence and the Future of Journalism (2020), Columbia University Press

A ideia de Francesco Marconi não é a de que os algoritmos vão substituir os seres humanos, mas antes que estes podem servir para "enaltecer" as suas capacidades, que não são exploradas a fundo devido a sobrecargas de trabalho. Se os jornalistas fossem dispensados de escrever notícias de trânsito, por exemplo, teriam mais tempo para se dedicarem a investigações profundas.

Se isto é tão perfeito quando parece? Não creio...

Superficialmente a ideia não é má mas todos somos capazes de perceber a possibilidade de perversão do sistema. Já hoje os algoritmos das redes sociais têm perigosos efeitos secundários, devido à incapacidade de analisar fora dos padrões para que foram desenhados. Devemos a isto a desinformação crescente dos dias que correm, assente na aparentemente inocente personalização de conteúdos.

São dilemas difíceis de resolver mas que têm de ser realmente encarados como possibilidades a desenvolver. A inércia não está claramente a resultar.

O nosso negacionismo está a ameaçar a subsistência da profissão. Teimamos em proteger o cânone, quando o que precisamos é mesmo de evoluir. E de forma urgente...

Será um cordão sanitário a melhor forma de combater a extrema-direita?

PSD-Açores e Chega. Esta é uma questão difícil de analisar, no que às sequelas diz respeito.  

Rui Rui tem estado "debaixo de fogo", devido ao facto de ter violado o cordão sanitário em relação ao Chega, ao aceitar ceder para ter o seu apoio na governação do arquipélago.

[Antes de mais queria frisar o facto altamente irónico de um partido que se diz "anti-sistema" ter, assim de repente e como quem não quer a coisa, aceitado ser uma muleta do sistema. Acho hilariante e nem consigo escrevê-lo sem mostrar os dentes. Oram vejam a contradição destes dois excertos do mesmo discurso:

“Ontem, o dr. Rui Rio disse que admitia conversar com o Chega e ter entendimentos com o Chega a nível nacional. E hoje o Chega quer dizer que admite conversa com o PSD a nível nacional e admite entendimentos com o PSD a nível nacional”, vincou André Ventura. 

“O Chega não precisa de acordos com nenhum partido do sistema nem os pretende”, afirma Ventura que, no entanto, insiste logo a seguir nas sondagens que indicam que só o Chega e o PSD conseguem ser alternativa de peso suficiente à direita. 

enfim...voltemos ao que interessa...]

psd.jpg

Foto: António Cotrim/Lusa

Perante a abertura dos sociais-democratas ao partido Chega, mais de 50 personalidades de direita - como Adolfo Mesquita Nunes, Pedro Mexia, Samuel Úria, Miguel Esteves Cardoso entre outros - divulgaram no jornal Público um abaixo assinado onde se distanciam claramente da postura assumida pelo PSD:

uma coisa é os movimentos nacional-populistas, xenófobos e autocráticos assumirem aquilo que são; outra, mais grave, é o espaço não-socialista deixar-se confundir com políticos e políticas que menosprezam as regras democráticas, estigmatizam etnias ou credos, acicatam divisionismos, normalizam a linguagem insultuosa, agitam fantasmas históricos, degradam as instituições.

Rui Rio já tinha demonstrado há algum tempo que estava disponível para fazer acordos com o Chega se este "se for moderando", pelo que não fiquei espantada que acontecesse agora (primeiro é no arquipélago mas depois será obviamente no continente).

O grande problema de tudo isto é, para começar, a nossa histeria em volta do assunto. Sim, é verdade que todos ficamos incomodados com o facto de um partido democrático, o maior da oposição, ceder à extrema-direita xenófoba (eu também fico), mas não podemos esquecer-nos de forma alguma que se este partido tem representação parlamentar é porque a conquistou nas urnas. Se ele está lá, é porque foi eleito, ainda que diga desprezar o próprio sistema democrático que lhe deu alguma chance. O Chega representa uma parcela da população portuguesa, mesmo que isso custe muito - e custa mesmo - a engolir.

Dito isto, a nossa postura de repulsa estará a ter o efeito que queremos? Ou, pelo contrário, ao estigmatizar a extrema-direita populista estamos a fortalecê-la? É que o Chega continua com a postura de underdog mártir, reforçando a ideia (ridícula) do "eles criticam-nos porque têm medo do nosso crescimento". A força do partido está precisamente no facto de afirmar ser diferente de todos os outros. Se esvaziarmos esta diferença não poderemos tirar-lhe força? Será que a procura de consenso democrático pode ser a solução para moderar o Chega? É que se o Chega deixar cair o radicalismo não lhe sobra nada e concerteza torna-se-á irrelevante (pois não tem ideologia nem tampouco propostas relevantes para o país)...certo?

Pensamos sempre que será o PSD a radicalizar-se, mas tendo em conta o número de assentos dos sociais-democratas na AR, a sua história e influência no país, será que não poderá criar-se o efeito contrário? Não haverá hipótese de a direita-moderada esvaziar um pouco o extremismo?

Posso estar a ser ingénua, mas quero crer que haverá coisas com as quais o PSD nunca concordará e que chegará a um ponto em que Rui Rio traça uma linha vermelha. Nessa altura, não terá o Chega perdido força? Daí em diante será óbvio para qualquer Ser pensante que o Chega tentou fazer parte do sistema e não foi propriamente bem sucedido. A sua postura de rejeitado incompreendido perde força, deixando notar a falta de conteúdo das suas propostas. Não poderá esta ser uma forma de demonstrar a hipocrisia das alegações que tanto defende?  Pode a conciliação democrática ser a solução para enfraquecer o populismo?

A quebra do cordão sanitário em redor do Chega é uma aceitação ou antes uma desmistificação?

Admito não fazer ideia das respostas mas creio que estas estarão, daqui para a frente, nas mãos do PSD. O que fez o maior partido da oposição foi colocar-se num limbo em que não poderá dar qualquer passo em falso. É um caminho perigoso, na medida em que cada movimento será julgado de forma implacável, mas por outro lado é uma forma eficaz de roubar palco ao Chega.

De facto deixa-me curiosa qual o efeito desta "união" nos respetivos eleitorados: será mesmo o PSD que vai perder votos, ou pelo contrário será o Chega que vai acabar por cair na irrevelevância onde pertence?



Para quem ainda não percebeu: Trump não fez bem à economia

Tenho ouvido muitas pessoas cépticas quanto aos malefícios de Trump para os Estados Unidos da América e o mundo em geral. Mesmo não sendo seus apoiantes, há, de facto, muita boa gente que não consegue efetivamente compreender qual o impacto real das políticas económicas, não conseguindo ver grandes problemas em Trump além do seu discurso extremista e notório desastre na gestão da pandemia. No que respeita à economia, há ainda quem pense que, apesar de tudo, ele fez um trabalho aceitável, em especial no que respeita a impulsionar a indústria americana. Não é verdade, até porque muitos dos sinais económicos positivos que se registaram antes da pandemia resultaram de impulsos dados por Obama.

naom_5fac5920f1520.jpg

Foto: Getty Images

Pelo contrário, as políticas económicas de Trump de taxar importações e "des-taxar" capitalistas tiveram um grande efeito no desemprego, mesmo antes da vinda da Covid-19. A ideia de que taxar matéria-prima estrangeira beneficia o mercado interno revelou-se paradoxal e acabou por prejudicar os do costume: os trabalhadores que viram os seus salários ser afetados, o desemprego a aumentar e a qualidade de vida a baixar sob o peso do nacionalismo inconsequente.

Mr Trump came into office in January 2017 with a vow to reshape the economy to favour blue-collar workers who had been displaced by trade, immigration, globalisation and automation. For a while it seemed to be working: mining and logging jobs rebounded strongly with Mr Trump’s election after suffering big declines at the end of Mr Obama’s presidency. Manufacturing jobs growth also picked up. But even before the pandemic hit, those gains started to erode, as Mr Trump’s trade wars backfired on industrial America. Mining and logging jobs went from having the most rapid employment gain to being among the worst performers. Manufacturing employment also suffered disproportionately.

Financial Times

Estes aspetos paracem contraditórios, mas na verdade podem ser facilmente perceptíveis, após uma análise mais atenta. Susana Peralta, economista da Nova SBE, explica alguns destes fatores no seu último artigo no jornal Público:

Alguns estudos recentes mostram, por exemplo, as perdas de emprego nas indústrias que utilizam matérias-primas chinesas, que ficaram mais caras com as tarifas. A agricultura americana perdeu por ter acesso dificultado ao mercado chinês. Enquanto isso, a política de impostos de Trump gerou enormes ganhos para os mais ricos.

Mas o que aconteceu exatamente? Foi essa mesma pergunta que coloquei à colunista do Público que, amavelmente, me indicou exemplos muito elucidativos. Um deles é um estudo que revela os impactos das taxas nas matérias-primas importadas, dando o aço como exemplo.Trump implementou uma taxa que levou a um aumento nos custos das empresas que produzem com recursos a esta matéria-prima:

Let's take the example of Trump's steel tariffs. So he put a 25 percent tariff— that's
big, that's like having a new tax put on something you buy of 25 percent. He put it on imported steel from Canada, Europe, Mexico, India, China, everybody in 2018. This meant that industries that use steel— metal-using industries like autos and trucks, appliances like washing machines, construction— all had to pay 25 percent more for their inputs. So they raised their prices and they lost market share in the global market to competitors from other countries who didn't have to pay this 25 percent tax. That's a very, very big differential, 25 percent. So, businesses lost market share, other businesses downstream like auto, and they laid off workers.

SANDRA POLASKI, Senior Research Scholar, Global Economic Governance Initiative in "How have Trump’s trade wars affected Rust Belt jobs?"

Portanto, em termos leigos, uma taxa que em teoria serve para prejudicar empresas estrangeiras acaba por ter efeitos devastadores na indústria doméstica, pelo facto de aumentar o custo de produção das empresas nacionais, que se vêm obrigadas a aumentar preços, perdendo competividade. Perante esta situação, os países visados respondem na mesma moeda, taxando os produtos americanos, o que acaba por afetar também as exportações. A receita diminui, os custos aumentam, o que culmina em despedimentos.

Mas não é só isto. O temperamento instável de Trump também tem efeitos no investimento, que diminuiu face ao aumento da incerteza que ele injeta via Twitter.

Apesar disso a queda no investimento foi algo que ele próprio tentou contrariar quando, em 2017 aprovou a redução de impostos. Uma medida que, segundo disse, tinha como objetivo aumentar os benefícios dados aos trabalhadores, através da diminuição de encargos dos patrões. A lógica era que, se as grandes multinacionais pagassem menos impostos teriam mais possibilidades de investir em novos projetos e criar emprego.

Não aconteceu.

O dinheiro serviu para engordar as contas que já antes eram obesas, levando ainda a que os investimentos fossem realizados além-fronteiras (onde é mais rentável).

The corporate tax cuts went into share buybacks, dividends to shareholders, executive pay increases, fabulous executive pay increases in some cases, and not into factories and equipment and service businesses or things that would help Main Street and that would help the average American. So it was very lopsided and unfair, but it gets worse. The 2017 tax cut actually introduced several new incentives for corporations to send jobs offshore.
To send jobs overseas. 

SANDRA POLASKI, Senior Research Scholar, Global Economic Governance Initiative in "How have Trump’s trade wars affected Rust Belt jobs?"

Este exemplo tem por base um estudo que refere os casos particulares do Michigan e o Ohio, mas é bastante demonstrativo dos impactos negativos na economia que Trump provocou, mesmo antes da pandemia.

Nada disto beneficiou os trabalhadores, mas fez muito para enriquecer quem já era rico. As medidas de Trump apenas tiveram impactos positivos nos bolsos fundos de Wall Street, prejudicando o emprego, os salários e a qualidade de vida dos trabalhadores americanos, além de lesar o próprio estado, que acabou por perder receitas preciosas (e que poderiam servir o interesse público).

No fim de tudo isto, ainda há dúvidas?

Mais visitados

Pensamento do dia

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sobre mim

Sofia Craveiro. Jornalista por obra do acaso. Leitora e cronista nas horas vagas.

Redes Sociais

Mensagens

E livros?